+ 56 9 98575663

contato@reservasaraya.com

+ 56 9 98575663

contato@reservasaraya.com

FAUNA DO ATACAMA: VICUNHAS

Compartilhe esse post com alguém ♥

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
High on the Chajnantor Plateau in the Chilean Andes lies the Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), an observatory surrounded by large expanses of dry landscape. Perhaps surprisingly, the region is home to a number of different wildlife species, many of which occasionally pop up near to the observatory. Further south, ESO’s La Silla Observatory recently had visits from a South American grey fox (potw1406a), and wild horses (potw1344a). The most recent cute visitor to ALMA is this vicuña fawn, found on 16 February 2014 by ALMA workers. The fawn was only a few weeks old, weakened after it was chased by foxes until it lost sight of its herd. After a couple of unsuccessful attempts the following day to return the fawn to its herd, the workers transferred it to the Wildlife Rescue and Rehabilitation Center at the Universidad de Antofagasta, where it is being treated so that it can eventually be released on the Andean plateau approximately one year from now.

Pode parecer uma miragem, mas é a vicunha e o seu bando passando logo ali, no meio do deserto. Vamos aprender mais desse animal que é uma fofura e que vai te acompanhar nos caminhos para os tours?

A vicunha vive a mais de 3.000m de altitude, muito bem adaptada ao clima árido e frio.

Ela é menor que os seus parentes lhamas, as alpacas e os guanacos (outras estrelas da fauna andina)

A gravidez dura 11 meses e só nasce um bebê por parto.

Seus dentes crescem continuamente por toda a vida, isso devido ao hábito alimentar delas. Ah, e a língua delas não se move! Então elas usam os dentes como “foices”. Ao contrário da lhama, a vicunha não é domesticada, vive totalmente livre na natureza.

Consegue suportar a altitude graças ao seu coração grande e suas células de hemoglobina turbinadas para captar o oxigênio.

Prefere áreas úmidas e pantanosas, já que bebe água diariamente.

Se organizam em grupos familiares, onde apenas um macho lidera de 5 a 15 fêmeas, junto com suas crias. Têm também os grupos de solteiros e machos independentessolitários. Detalhe: os membros de cada grupo não se separam, e não aceitam outros membros livres, especialmente se forem machos.

Não precisa ficar com vergonha, quando elas aparecem, sempre rola um grito: olha lá as vicunhas!

Nos envie uma mensagem

tire suas duvidas sobre nossos tours

Uncategorized

A ORIGEM DA QUINOA – UMA LENDA ANDINA

Dizem que, antigamente, os povos andinos podiam falar com as estrelas! Durante a temporada de colheita de milho, uma família percebeu que estavam sendo roubados.

Uncategorized

ERVAS LOCAIS: UMA FARMÁCIA NOS ANDES

Sabia que, há séculos atrás, um curandeiro, que vivia ao lado da igreja de San Pedro, tratava as pessoas com ervas locais?!  A sabedoria ancestral